Boa Leitura…


Sobre moinhos de se fazer o tempo

Germano Xavier

OS MORTOS NÃO COMEM AÇÚCAR, de Alexandre Furtado, é um lançamento da Editora Confraria do Vento para o presente ano de 2016. Furtado, professor e amante da literatura, inova no livro. São 14 contos (os 14 não gerariam uma novela?) que, ao final, narram uma única história.

Conta Comigo

Marcelo Sguassabia

Contar os milhares de maços de dinheiro guardados em casa era ao mesmo tempo seu trabalho, sua diversão e sua paranoia. Cada maço perfazendo dez mil, em cédulas de valores variados. Quando a contagem chegava ao fim, cismava que alguém - não se sabe quem...

Comprovante de Residência

Sérgio Clos

Faz frio e muito frio. Entretanto, mais frio do que o próprio frio é a frieza com que tratamos os nossos velhos. É certo que nos asilos durante o inverno eles têm pneumonia e morrem mais que nos outros meses do ano, pois levantam cedo e tomam banho frio ou quase isso.

O maltês

Mário Filipe Cavalcanti

Lois disse pra uma amiga dela uma vez que me adquiriu num petshopp da esquina pela bagatela (ela enfatizou bastante o termo “bagatela”) de cinco mil reais. Lembro que vi uma das amigas fazer uma cara de enorme surpresa. Acho que isso era ser importante para Lois.

Verdades vazias, cegueiras e mortes: as conflagrações retalhadas em Mosaico de Rancores, de Márcia Barbieri

Germano Xavier

Na alma, nos olhos. Literatura. Arrebol de sangue e pulso. Víveres. E a literatura de Márcia Barbieri, mais especificamente em seu MOSAICO DE RANCORES (Terracota, 2013), é mais uma boa demonstração viva do que venho a tratar aqui nestas minhas impressões.

Luiz Salgado lança novo CD

Pedro Antônio

O cantautor mineiro, de Patos de Minas, Luiz Salgado acaba de lançar um novo CD, o quinto de sua carreira. O disco, que teve financiamento coletivo através do sistema Crowdfunding e incentivo cultural da Prefeitura Municipal de Araguari, onde reside e é membro da Academia de Letras...

Temos que fazer alguma coisa!

Marcelo Sguassabia

Esse tá lascado. Pegou justo a gente... dois caras sem nada de espetacular pra dizer um ao outro. Isso não dá texto que preste. Hummm, vai ter que tirar leite de pedra. Tô até com pena do cara, meu... reparou como está digitando devagar? O sujeito não acha o que escrever, tá até trêmulo...

Exposição de Auguste Rodin em Brasília com entrada franca

Página Cultural

Considerado o primeiro escultor da era moderna, responsável por recuperar a importância da escultura como linguagem artística, Auguste Rodin sintetiza, em seu trabalho, tradição e ousadia. Em suas obras de pequeno porte, torções e movimentos de referência expressionista...

Lei Rouanet não é “boca livre” da cultura

Página Cultural

Henilton Menezes - Ontem, o Brasil foi acordado com mais uma operação da Polícia Federal, denominada “Boca Livre”, numa referência a uma festa de casamento que teria sido realizada com recursos de Lei Rouanet. As informações levam ao entendimento equivocado de que a fraude...

De Volta à Acrópole – Atenas

Paulo Irineu Barreto

Mesmo considerando a minha ascendência materna luso-espanhola e a minha ascendência paterna sudanesa, considero a Grécia o meu segundo país e Atenas a minha segunda cidade natal. Ao andar pelas ruas e lugares históricos atenienses, sinto-me como se estivesse andando...

Claudio Félix Portiglia: “¡Ja!, la buena cocina me gusta más que la literatura del boom”

Rolando Revagliatti

Claudio F. Portiglia nació el 13 de enero de 1957 en Junín, ciudad en la que reside, provincia de Buenos Aires, la Argentina. Es Profesor en Castellano y Literatura, egresado en 1980 del Instituto Superior del Profesorado Junín.

O rosto partido de Ana Cristina Cesar

Fernando Borma

O rosto se mostra. Vi Ana, certa vez, com uma amiga – era um livro de capa rosa com o rosto partido de uma mulher na cor azul com um nome estampado sobre a imagem, “Ana Cristina Cesar”. Aberto o livro, ouvi-a dizer: “E ele e os outros me veem/Quem escolheu este rosto para mim?”


Acompanhe o Página Cultural também no Facebook!