Cazuza, o poeta está vivo, em 8 entrevistas irreverentes

A música rock veio mudar as tradicionais músicas dos homens de negócios para uma música mais livre e sem preconceitos. A música rock reflete um comportamento erótico, para alguns destrutivo, mas na minha opinião é apenas um meio de desabar as estruturas.

Agenor de Miranda Araújo Neto, mais conhecido como Cazuza (Rio de Janeiro, 4 de abril de 1958 — Rio de Janeiro, 7 de julho de 1990) foi um cantor, compositor, poeta e letrista brasileiro. Conhecido como vocalista e principal letrista da banda Barão Vermelho. Sua parceria com Roberto Frejat foi criticamente aclamada. Dentre as composições famosas junto ao Barão Vermelho estão “Todo Amor que Houver Nessa Vida”, “Pro Dia Nascer Feliz”, “Maior Abandonado”, “Bete Balanço” e “Bilhetinho Azul”.

Se com “Bete Balanço”, filme de Lael Rodrigues, o rock brasileiro dos anos 80 chegou às telas de cinema, com a música-título, feita de encomenda para a trilha, o Barão Vermelho chegou ao grande público. Registrada num compacto do início de 1984, a canção estourou, virando um marco no trajeto da banda, que também contracenava no filme. A música acabou incluída no terceiro LP, lançado em setembro daquele ano, para ajudar a sua comercialização. O que talvez nem tivesse sido necessário, pois “Maior abandonado”, impulsionado pela faixa homônima, atingiu em dois meses a marca das 60 mil cópias vendidas, e em seis, das 100 mil.

cazuza-o-poeta-esta-vivo

“Raspas e restos me interessam (…) Mentiras sinceras me interessam”, em “Maior Abandonado”; “Você tem exatamente três mil horas/ Pra parar de me beijar (…) Você tem exatamente um segundo/ Pra aprender a me amar”, em “Por que a gente é assim?”; “A fome está em toda parte/ Mas a gente come/ Levando a vida na arte”, em “Milagres”. Com achados como esses, presentes no novo álbum, Cazuza foi ganhando fama de poeta do rock brasileiro. Com muita energia, ele foi superando suas limitações como cantor. Suas atitudes irreverentes e declarações espalhafatosas, fizeram com que aparecesse cada vez mais como artista e personalidade. A princípio, tudo isso só contribuía para chamar a atenção para o grupo todo.

Com o sucesso, e , conseqüentemente, com a maior exigência de profissionalismo, as diferenças se ressaltaram. O temperamento irriquieto de Cazuza pouco se adequava a uma agenda cada vez mais sobrecarregada de ensaios e entrevistas. Os desentendimentos foram crescendo. Em janeiro de 1985, o Barão fez uma bem-sucedida participação no festival Rock ‘n Rio, abrindo shows para grandes atrações do rock internacional. A continuidade do sucesso, porém, não conseguiu evitar a separação do grupo. Em julho, quando o material para o próximo disco já estava selecionado, a notícia chegou aos jornais: enquanto os outros seguiriam com a banda, sua estrela partiria para uma brilhante carreira solo.

Poucos dias depois, Cazuza voltava a ser notícia. Tinha sido internado num hospital do Rio com 42 graus de febre. Diagnóstico: infecção bacteriana. O resultado do teste HIV, que ele exigiu fazer, dera negativo. Mas naquela época os exames ainda não eram muito precisos.

Em outubro de 1987 após uma internação numa clínica do Rio, Cazuza foi levado pelos pais para Boston, nos Estados Unidos. Lá, passou quase dois meses críticos, submetendo-se a um tratamento com AZT. Ao voltar, gravou “Ideologia” no início de 1988, um ano marcado pela estabilização de seu estado de saúde e pela sua definitiva consagração artística. O disco vendeu meio milhão de cópias. Na contracapa, mostrou um Cazuza mais magro por causa da doença, com um lenço disfarçando a perda de cabelo em função dos remédios. No seu conteúdo, um conjunto denso de canções expressou o processo de maturação do artista.

cazuza-frases

“O meu prazer agora é risco de vida/ Meu sex and drugs não tem nenhum rock ‘n’ roll”, confessava ele, em “Ideologia”. E: “Eu vi a cara da morte/ E ela estava viva”, em “Boas novas”. Rico e diverso, o repertório trouxe ainda um blues, o “Blues da piedade”, uma canção “meio bossa nova e rock ‘n’ roll”, “Faz parte do meu show”, grande sucesso, e o rock-sambão “Brasil”, que faria um sucesso ainda maior com Gal Costa. Tema de abertura da novela “Vale tudo”, da Rede Globo, “Brasil” fez um comentário social forte sobre o país, com versos como “meu cartão de crédito é uma navalha”. No disco, a temática social apareceu também em “Um trem para as estrelas”, feita com Gilberto Gil para o filme homônimo de Carlos Diegues.

Ainda em 1988 Cazuza recebeu o Prêmio Sharp de Música como “melhor cantor pop-rock” e “melhor música pop-rock”, com “Preciso dizer que te amo”, composta com Dé e Bebel Gilberto, e lançada por Marina. E apresentou no segundo semestre seu espetáculo mais profissional e bem-sucedido, “Ideologia”. Dirigido por Ney Matogrosso, Cazuza buscou valorizar o texto no show, pontuado pela palavra “vida”. Substituiu a catarse das performances anteriores por uma postura mais contida no palco. Tal contenção, porém, não o impediu de exprimir sua verve agressiva e escandalosa num episódio que causou polêmica. Cantando no Canecão, no Rio, cuspiu na bandeira nacional que lhe fora atirada por uma fã.

O show viajou o Brasil de norte a sul, virou programa especial da Globo e disco. Lançado no início de 1989, “Cazuza ao vivo – o tempo não pára” chegou ao índice de 560 mil cópias vendidas. Reunindo os maiores sucessos do artista, trouxe também duas músicas novas que estouraram: “Vida louca vida”, de Lobão e Bernardo Vilhena, e “O tempo não pára”, de Cazuza e Arnaldo Brandão. Esta – título do trabalho – condensou, numa das letras mais expressivas de Cazuza, a sua condição individual, de quem lutava para se manter vivo, com a do povo brasileiro.

Foi pouco depois do lançamento do álbum que ele reconheceu publicamente que estava com Aids, sendo a primeira personalidade brasileira a fazê-lo. Era então notória -e notável – a sua afirmação de vida. À medida que seu estado piorava, ao contrário de se deixar esmorecer ante a perspectiva do inevitável, Cazuza, ciente do pouco tempo que lhe restava, passou a trabalhar o mais que podia. Entrou num processo compulsivo de composição e gravou, de fevereiro a junho de 1989, numa cadeira de rodas, o álbum duplo “Burguesia”, que seria seu derradeiro registro discográfico em vida.

fotos-cazuza

O trabalho seguiu um conceito dual – num dos discos, de embalagem azul, prevalecia o gênero rock; no outro, de capa amarela, MPB. Entre as suas últimas novidades, com a voz nitidamente enfraquecida, Cazuza apresentou clássicos de outros autores (como Antonio Maria, Caetano Veloso e Rita Lee) e duas músicas feitas com novas parceiras, Rita Lee e Ângela Rô Rô. A canção-título, com uma letra extensa atacando os valores da classe burguesa, chegou a ser tocada nas rádios, mas o álbum não obteve sucesso comercial e foi recebido discretamente pela crítica.

Em outubro de 1989 depois de quatro meses seguindo um tratamento alternativo em São Paulo, Cazuza viajou novamente para Boston, onde ficou internado até março do ano seguinte. Seu estado já era muito delicado e, àquela altura, não havia muito mais o que fazer. Foi assim que ele morreu, pouco depois – a 7 de julho de 1990. O enterro aconteceu no cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro. Sua sepultura está localizada próxima às de astros da música brasileira como Carmen Miranda, Ary Barroso, Francisco Alves e Clara Nunes.

    1. “Cantando a gente inventa. Inventa um romance, uma saudade, uma mentira. Cantando a gente faz história.” Cazuza

    2. “Sou muito egoísta, centrado demais em mim mesmo, para me incomodar com os outros.” Cazuza

    3. “Tem o certo. Tem o errado. E tem todo o resto.” Cazuza

    4. “Nada nesse mundo é nunca mais.” Cazuza

    5. “Tudo é tão simples que cabe num cartão postal.” Cazuza

    6. “Não bata de frente comigo. De tanto cair eu aprendi a derrubar.” Cazuza

    7. “Decidi não ficar mais triste. Certas coisas não valem minha dor.” Cazuza

    8. “Os idiotas são mais felizes. Eles não sabem que vão morrer.” Cazuza

    9. “Escrevo para não falar sozinho!”  Cazuza

    10. “Porque o amor é feito bebida: tem que tomar a dose certa.” Cazuza

1 – CAZUZA COM MARÍLIA GABRIELA

2 – CAZUZA COM JÔ SOARES

3 – DEPOIMENTO INÉDITO DE CAZUZA 

4 – CAZUZA FALA À TVE-RS

5 – CAZUZA COM LEDA NAGLE

6 – CAZUZA ESPECIAL TV MANCHETE

7 – DOCUMENTÁRIO SOCIEDADE VIVA CAZUZA

8 – CAZUZA NO CANECÃO

Fontes: Viva Cazuza | Wikipédia | YouTube

Página Cultural

Para contribuir com ideias, sugestões e informações, use o e-mail: pagcultural@gmail.com.

Sem comentários; deixe o seu:

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usaratributos e tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>