Confissão

Queria escrever-te um poema
Mas desconheço os significados
Quando em ti encontros os sentidos
O subentendido em facetas tímidas
Tão quanto suspeitas
No engasgar de um encontro súbito
Um desejo ocultado em pronúncia

Mas declarado à vista
De nossa própria fronte
A ânsia da permanência tua
A angústia da desenvoltura
Que eu passo, refaço
Pedaços em memória
Do nosso caso
E mesmo crua tua lembrança
Banha-me em pétalas
Colhidas em vossos jardins
Ah! Queria eu escrever um poema
Que não desperdiçasse as palavras

Nem o tempo
Mas disfarce minhas confusões
Porque são quase tuas
Essas confissões
Vista-me então a claro
Nossos desejos em ações
Por favor
Antes que termine essa noite…

Camila Reffatti

Camila Reffatti

Sei que quando sinto, eu sou. Então vou sendo agora, depois agora no futuro, mas nunca esquecendo do agora que já foi. Vou sendo, até que não cabe mais ser agora.

Sem comentários; deixe o seu:

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usaratributos e tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>