Derramo

O ódio deixa vermelha a face
A raiva se espalha como óleo no chão
Olhos úmidos de cólera
Grito
Como se o som reverberasse a dor
E esvaziasse a aflição que deveras sinto
Corro
Para que o vento leve a agonia
E devolva a paz perdida
Que dantes pairara no ar
Escrevo até os dedos não aguentarem
E torço para o desespero passar
Uma gota que cai no copo cheio
Derramo

Christyene Alves Faleiros

Christyene Alves Faleiros

Christyene Alves Faleiros é poeta, cronista, mestre de Reiki e advogada. Tem poemas publicados na antologia "Camarinhas de Poesia" e comanda o blog Prosa Verso e Encanto.

Sem comentários; deixe o seu:

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usaratributos e tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>