Gozo Poético

Visto me assim, sem roupa nenhuma
Só de pele
Não há vestimenta melhor que a verdade da gente.
O que de repente cubra é tricotado em sentir,
poesia vai ser sempre a minha última estação.
A poesia será sempre a última coisa em minha boca antes do teu corpo
Ou quem sabe, durante…
Pois meu corpo em tua boca não é mais que poesia continuada.
Você me deleita, feito gozo poético
Te desejo…
E queria eu ser mais, ser mar e te mergulhar…
Quando estiver sendo mar, gostará de ver meu prazer?
Quando estiver sendo prazer, poderia eu ser teu mar?
Um mar doce, para que eu escorra bebendo teu corpo.
Não haveria tamanho que escapasse do meu desejo
Ser mar é profundo. Eu me afogo,
E te mergulho…
E se você vai, meu mar seca.
Viro terra com uma única flor,
Então espero…
Até que você me chova.

Camila Reffatti

Camila Reffatti

Sei que quando sinto, eu sou. Então vou sendo agora, depois agora no futuro, mas nunca esquecendo do agora que já foi. Vou sendo, até que não cabe mais ser agora.

1 Comentário

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usaratributos e tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>