O Perigo das Palavras

O Perigo das Palavras….

Não estou sentindo nada.
Na verdade o que sinto é quase um nada absoluto.
Porque nada me parece cabível de expressar o que sinto.
Talvez seja tanto do nada, que exagero no sentir e começo a sentir tudo.
De modo que nada mais consegui fazer, a não ser escrever sobre esse nada de agora.
Talvez na tentativa de descobrir o que se esconde, me anulei de quaisquer coisas que não fosse o tudo do meu nada e mesmo assim, pareço ter medo de descobrir.
Como se fosse loucura, sentir tudo de uma vez…
E sentir de tal forma súbita e linda.
Talvez o que me assuste seja então o urgente,
O que me pese seja então a intensidade,
E agora quando escrevo, talvez o que me confunda seja a nitidez de tudo.
Esse parece ser o perigo das palavras.
Por ora parecem não expressar nada, mas quando se viu, revelam tanto que não há mais o que fazer.
Do nada, termino escrevendo sobre o tudo.
Parei por aqui, com o receio de mostrar mais do que queira, porque pelo visto as palavras são traiçoeiras e quem as escreve não tem culpa de tamanha sinceridade.

Camila Reffatti

Camila Reffatti

Sei que quando sinto, eu sou. Então vou sendo agora, depois agora no futuro, mas nunca esquecendo do agora que já foi. Vou sendo, até que não cabe mais ser agora.

Sem comentários; deixe o seu:

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usaratributos e tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>