Inicial » Autores » O que você vai dar de presente neste Natal?

O que você vai dar de presente neste Natal?

Share on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on TumblrShare on FacebookPin on PinterestShare on RedditDigg thisEmail this to someone

Uma boneca de olhos azuis que repete frases mecânicas em inglês para o seu sobrinho também ultramoderno? Uma caixa de chocolates de diferentes países para o marido chocólatra e alcoólatra? Uma passagem para o mais novo país da moda no Leste da Europa? A velha e boa blusa 100% algodão para o irmão mais velho que não esteve nem aí para você durante todo ano que está findando? Ou você não está podendo fazer escolhas tão apuradas assim neste fim de ano? Faltou organização com as finanças? Faltou sorte com os novos investimentos? Faltou poupar mais? Faltou trabalhar e se dedicar mais? Faltou ter mais paciência e não agir tão impulsivamente? Faltou olhar mais para si? Ou faltou faltar alguma coisa para que você pudesse perceber que tudo está dentro da normalidade e na ordem do dia? A democracia é isso (ou não?), temos tudo nas mãos, uma gama infindável de escolhas, um mundo inteiro parece se mover aos nossos mínimos comandos, e ao mesmo tempo temos a impressão de que nada temos e de que nada somos, posto que tudo está em falta, principalmente nas gôndolas do Ser. Todavia, não faltam superlojas e supermercados nas supercidades, não faltam super-homens nos campos da mídia a nos avisar que basta um cartão de crédito dentro de nossas carteiras para termos superpoderes e superdestinos. Estaríamos vivenciando o supercapitalismo, onde todo mundo é rei e bobo da corte ao mesmo tempo? Creio que não há dúvidas. Todo mundo entre aspas, convenhamos. Porque quem é rei de verdade nunca perde a majestade, não é verdade? Nessa humanidade, vamos lá, 10% são reis de verdade, o restante não passa de um bando de bobos da corte, fazendo o que os reis investidores de Wall Street ou manda-chuvas de Brasília & Cia ou celebridades do Fantástico Mundo da Fama mandam e desmandam em nossos corações e mentes. O sino pequenino já vem batendo e apontando um novo ano em nossa frente, mas antes das luzes das inúmeras e reluzentes árvores natalinas serem acesas em sua totalidade, eu quero insistir neste questionamento: O que você vai dar de presente de Natal no Natal? Como todo bom velho ditado que vai sendo transportado pelo tempo geração após geração, dizem que quem dá também gosta de receber (não pense bobagens, por favor, o assunto é sério), estou errado? Apesar de parecer, até porque não gostamos de pensar em nossos mais reles atos, esta não é uma simples questão. Presentear não é uma atitude destituída de sentido ou algo sem significado. Pelo contrário, presentear é ceder algo em acréscimo a outrem, ou pelo menos deveria ser visto dessa forma. O presenteado, por sua vez, quando ganha o presente, ressignifica-o, dentro de suas possibilidades de compreensão e elaboração sígnico-real, num gesto quase que automático, num evento de abertura e nunca de fechamento ao novo. O outro que recebe, destarte, passa a acessar um conjunto de possibilidades que antes, sem o objeto ganhado, o carinho recebido ou o afeto compartilhado, não seria capaz de sentir e viver naquele justo instante. Portanto, se você não conseguia ver o seu bonito gesto com tamanha amplitude, peço mais atenção da próxima vez em que você for escolher um presente, seja ele qual for e para quem for e em que época do ano estiver. A gente cansa de pedir coisas, reclamar por outras, e termina por não oferecer ao mundo nada para que o tão sonhado “mundo melhor e mais justo” de que tanto almejamos realmente possa ultrapassar a barreira das utopias. Dia desses, conversando com uma amiga, perguntei o que era que ainda podia ser feito para que pudéssemos mudar o mundo, mesmo que poucamente, ou simplesmente o que poderíamos fazer para que nossas ações não passassem em branco durante a vida, sem nada ter deixado de bom para o próprio mundo, e eis que ela me respondeu com algo muito simples e lógico, e não menos inteligentíssimo: “Fazendo com que os pais eduquem e criem os filhos para serem pessoas generosas, menos egoístas, mais amáveis, mais “humanas”… aí sim o mundo poderá ser menos cruel. Deixar filhos melhores para o mundo ao invés de pedir um mundo melhor para os filhos…”, foi a resposta. Curta, grossa, direta, praticável, possível. Talvez seja este o caminho para o tão distante “mundo melhor e mais justo” de nossos sonhos. Ou, quiçá, um dos caminhos para tal. Deixar filhos mais dignos e sabedores das essenciais práticas humanas talvez seja mesmo uma fórmula infalível para derrotar tanta desigualdade e mau-caratismo que muito assola e contamina o nosso planeta. Aí eu pergunto a você novamente, querido leitor, que presente é este capaz de atingir o brio de um ser humano e provocar nele reformas interiores tão profundas que até o que tende a vazar de si após seu usufruto pode revolucionar o próximo? Muitos podem citar, e sabiamente até, o amor, o carinho, a gratidão, o respeito, o apoio, a perseverança, a humildade, entre tantos outros sentimentos que, querendo ou não, são primordiais para o bom encaminhar de uma pessoa perante o desenrolar da vida. Mas, e no campo do material, que objeto teria este mesmo papel? Não fique triste se você não sabe a resposta ou não conseguiu pensar em nada plausível, a realidade brasileira (não seria mundial?) ainda impede a visão clara de tal fato. É do livro que estou a falar. Não há objeto mais completo que um bom livro, assim como não há atitude mais transgressora que uma boa leitura (corrijam-me se eu estiver errado, por favor). Eu sei, você pode não gostar tanto assim de ler, eu entendo, mas não custa nada insistir um pouco nisso. Quem sabe depois de um ou dois livros realmente especiais você não se torne um leitor voraz de palavras e mundos também inesgotáveis e acabe mudando de idéia… Um bom livro impede o operância na gente da pior das pobrezas, a da alma. Um bom livro oculta inverdades e desenforma certezas. Um bom livro ensina a andar, a falar, a agir. Um bom livro cura uma doença. Um bom livro faz um morto ressuscitar. Não acredita? Eu entendo. Eu posso estar sendo meio romântico demais, mas pense bem, depois de saciadas nossas fomes físicas, é o estômago de nossas almas que necessita de alimento. E isso, um bom livro pode resolver facilmente. Então, você já decidiu que presente vai dar àquela pessoa especial neste Natal? Não? Tudo bem, ainda dá tempo de fazer sua escolha.

Germano Xavier

Natural da Chapada Diamantina, é graduado em Jornalismo e Letras, autor dos livros Clube de Carteado e do livro-reportagem Iraquara - Em memória de Nós, ainda não publicado. Blog O Equador das Coisas.

Comentários (4)

  1. Fico feliz, Cláudia.
    Obrigado pela leitura.
    Continuemos…

  2. O melhor presente é poder ler um texto reflexivo, como este.

  3. Obrigado pela leitura e pelo carinho, Alecsandra.
    Beijo.

  4. Alecsandra Paula disse:

    Germano, parabéns pelo texto e pela dica.

Comente

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados.


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>