Réu do Amor

Há um beijo escondido
Por de trás dessas amarrações.
Um beijo não dado
Contido,
Quase dito
No meio desses turbilhões.
Há um beijo eterno
Vivido
Em imaginações.
Há um único beijo
Silenciado
Por tom de pecado
Em minhas razões.
Mas, quem sabe seja roubado
Assalto armado
Com dez mil sensações.
É o crime perfeito
Qualquer suspeito
Alegaria a culpa
Por uma sentença
Já indulta.
Criminoso seria
Deixar preso
O único beijo
Capaz de trazer o céu
Para mais perto
Deste réu,
Que só queria amar.
Então, a prisão fica linda
Pois, a pena mesmo seria
Deixar de lhe beijar.

Camila Reffatti

Camila Reffatti

Sei que quando sinto, eu sou. Então vou sendo agora, depois agora no futuro, mas nunca esquecendo do agora que já foi. Vou sendo, até que não cabe mais ser agora.

1 Comentário

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usaratributos e tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>