Saudade Com Gosto de Vinho

Os copos cheios de um vinho qualquer, mostravam o quão gostávamos da companhia um do outro. Eram noites perdidas, que ele encontrava para mim. Cada um do seu jeito, vivia aquilo equilibrando-se na linha tênue daquele elo de cumplicidade. O vinho deixava nossos lábios roxos e o encontro deles nos faziam um emaranhado de cores, que marcavam minhas primaveras no inverno. Eu era estranha e ele a estranheza toda, mas juntávamos tudo e acabávamos deitados no asfalto, esperando a primeira gota de chuva cair. A vida ali, era contada em sorrisos singelos até o primeiro carro aparecer, então subíamos o morro a sermos os donos da cidade. Ela com todas as suas luzes, embalava nossa dança desajeitada. Dois tolos rimando os desarranjos da vida. Nossas noites secretas dentro daquela bebida, que só tinha gosto com ele. Ele não sabe, mas de vez em quando eu tiro a rolha que tampa minhas lembranças e as bebo, sozinha. Porque ele nunca mais me esperou com suas taças de plástico.

Saudade Com Gosto de Vinho
Saudade Com Gosto de Vinho
Camila Reffatti

Camila Reffatti

Sei que quando sinto, eu sou. Então vou sendo agora, depois agora no futuro, mas nunca esquecendo do agora que já foi. Vou sendo, até que não cabe mais ser agora.

Sem comentários; deixe o seu:

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usaratributos e tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>