Sobre moinhos de se fazer o tempo

“Pensei, quando não tirana, é ciranda a vida. Ciranda.”
(em Os mortos não comem açúcar, p.34)

OS MORTOS NÃO COMEM AÇÚCAR, de Alexandre Furtado, é um lançamento da Editora Confraria do Vento para o presente ano de 2016. Furtado, professor e amante da literatura, inova no livro. São 14 contos (os 14 não gerariam uma novela?) que, ao final, narram uma única história. Assim é, pois assim parece ser. Impressão. Iniciado pelo conto Tão logo a noite acabe, ao som de Para um amor no Recife, de Paulinho da Viola, o livro finda com um Aos céus um pedido, que flui é mesmo ao silêncio de todas as estações.

O primeiro conto, supracitado no parágrafo anterior, recobra-se em um pacote com roupas íntimas e a lembrança viva eterna de um amor aniquilado no antes por incompatibilidades no que tange ao pensamento político por parte de duas famílias, uma peça-colégio que reconta faíscas memoriais. Imagens que flutuam nas águas das sedes. Em Assim, quando menos se espera, um beijo sem querer, o inesperado, no bar, no fim da noite. E as ruas recifenses. Travessias. Em O melhor das meninas ou todas as horas de minha vida, o encontro na Casa Dez, bordel onde todas as máscaras pareciam cair. Cantos de Ossanha. Em É jogo, a década de 70, Copa do Mundo, as relações humanas mais triviais. Nossos festivais de carne. Nossos carnavais.

Em todo o restante, e desde a página primeira, lascívia, sexualidade, vinil do Cartola, visgos do amor, almas quentes, sambas, praia, o povo, uma moralidade distendida, a década de 70, a vida comum, o tempo que passa passageiro, a saudade impressa no corpo, a febre e o clima, o antigo Recife, as curvas atenuantes nas dobras das pontes da Veneza brasileira a bordo dos ônibus elétricos, o abuso sexual, Manuel, o audaz, as querências por melhores passos vitais, uma classe média, uma ditadura, uma dor de viver e de sentir como um punhal cortante, que mata por dentro, que esfacela, que esquarteja, e o amor demais, o amor-pecado das putas que segredam o enredo dos desamores ainda mais putos, olhares e versos de um Chico Buarque.

A putaria rolando solta em verbos moralistas dialogados, um compêndio de questões imagéticas abrangentes, vindas por baixo e por cima, a versar sobre infâncias rememoradas e/ou inventadas, sobre escorpiões que nos envolvem e nos atacam na porta de casa, no portal da vida nada exemplar de cada um, livro de conversas e cirandas, acordes de Talismã do Geraldinho, de afeto pela cidade de um tempo inteiro, pela capital insana dos sempres, gigante e provinciana, acerca da vida, que “é um exercício de solidão” e não é, segundo o poeta Ésio Rafael, uma obra que pontilha a vida comum e sem perspectivas maiores de pessoas também comuns dotadas de risos e lágrimas, vidas Caetanas, do Veloso.

Uma experimentação literária que descabidamente pode enganar o leitor desavisado, contos-partículas que formam uma só história imperiosa, umas só-tantas estórias por que não também severinas?, retratos de um mangue fértil que são os nossos corações, os nossos pulsos de todo instante, e a banca dos distintos…, as grandes belezas miúdas do cotidiano, que de tamanhas nos engolem e nos carregam impiedosamente para dentro das tramas, das páginas, nos transformam em letras, em lero-lero, em ruas, em rios, cenários, amores, um opúsculo com referências pontuais à literatura e à música brasileira de ótima qualidade, uma Olinda de prazeres, os ardores transviados, as revelações da vida em vida, as revelações dos caráteres de nós todos, o reflexo de um progresso dos anos 60 e de uma decadência da década de 80, um 70 no meio, perdido nas intempéries das auras de um grande SER coletivo, repleto de bem-quereres, de mal-quereres.

Destaco dois contos: TRISTAM SHANDY C’EST MOI ou O BEIJO DE LÍNGUA e UMA HISTÓRIA ASSIM É OUTRA. OS MORTOS NÃO COMEM AÇÚCAR é um livro cheio de sentidos, aguçador por natureza, construído por mãos que tatearam as realidades e as belezas possíveis, mesmo invisíveis aos olhos dos que meramente passam, certamente insuspeitando de suas devidas importâncias para a construção do mundo. Furtado não se furta, deixa-se. Empresta-se. Doa-se. O leitor se delicia com 14 pequenos voos extraordinários que, de tão incertos e inseguros, extravasam todo um correio confidencial de nossas emoções, eis o resultado.

Germano Xavier

Germano Xavier

Mestre em Letras, jornalista profissional (DRT BA 3647), escritor e coordenador geral do Jornal de Literatura e Arte O EQUADOR DAS COISAS.

Sem comentários; deixe o seu:

Seu comentário é importante!

Your email address will not be published.

Você pode usaratributos e tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>