Página Cultural Página Cultural Agenda Cultural Roteiro Uberlândia Classificados Contato
Facebook Twitter Google+ Feed

Destaques


- Para contribuir com ideias, sugestões e informações, use o e-mail: pagcultural@gmail.com.

Carta a Odelmo Leão sobre o Teatro Municipal

Samuel Giacomelli – Estive no teatro municipal ontem, ou melhor, nas obras do teatro municipal, e pude me atualizar acerca de sua real situação. Estou a par de muito do que ficou inacabado, mal feito [e por isso estragou-se], ou que simplesmente foi ignorado para que pudessem realizar sua pseudo inauguração. Se quiserem posso fazer uma lista.

E eu digo, como artista dessa cidade, indignado com o descaso de nosso antigo gestor: não, senhor Odelmo Leão, o Teatro Municipal não foi entregue totalmente concluído e não poderia estar funcionando normalmente atendendo a classe artística que necessita do espaço para suas apresentações pois houve muitas falhas durante os últimos meses de obras que foram realizadas as pressas para que tivessem seu momento de pompas e circunstâncias e uma placa cravada no hall de entrada com vossos nomes expostos. E o fato de em dezembro de 2012 terem realizado cinco dias de “espetáculos” não é argumento para considerar as obras do teatro concluídas. Cito apenas o simples fato de terem alugado todo o equipamento de luz e som, não se utilizando dos equipamentos do próprio teatro, pois estes se encontravam inadequados para a utilização, afinal o teatro ainda não possui sequer o cabeamento de energia para as varas de luz. Por favor, parem de usar de má fé com nosso povo. Falo de questões que apenas os profissionais podem ter conhecimento, a população pode acreditar que o teatro está pronto, afinal está lindo e eles participaram ou souberam dos cinco dias de apresentações no final do ano, mas é o mesmo que inaugurar uma escola sem giz, sem lousa, sem material didático, correndo-se o risco de ter um teto de gesso a cair sobre suas cabeças.

Quem duvidar de minhas palavras convido a fazer um passeio pelas instalações do teatro, e por favor não se limitem a visitar apenas o hall e a sala de espetáculos, dêem uma olhada por todo o complexo arquitetônico, por dentro e por fora e de preferência acompanhado de alguém que tenha informações atualizadas da obra. Por isso repito, parem com a má fé, políticos do meu Brasil! Para que tivessem esses cinco dias de marketing pessoal passaram por cima de muitas questões importantes para o pleno funcionamento de um teatro desse porte. Posso citá-los futuramente se assim o desejarem, mas em resumo passam por pontos como estrutura técnica, segurança, acessibilidade, acabamento de toda a área reservada aos técnicos, o que poderia acarretar graves acidentes se não corrigidos. Não por acaso o público reclamou que não escutava as vozes dos atores do espetáculo “Ode ao Absurdo” produzido por amigos meus, afinal toda a estrutura acústica da caixa preta do palco não estava montada durante os cinco dias, e ainda não está. São fatores como esse que, podem parecer pequenos, mas que demonstram o descaso que tiveram com nossa arte.

Tenho dúvidas ainda sobre a afirmação de que o Teatro Municipal de Uberlândia possui alvará de funcionamento e segue os padrões de segurança, de conforto e de uso. Vou resumir isso em poucas palavras: saídas de emergência estão Ok, mas faltam entradas de serviço; e como um teatro desse porte pode ser considerado “Risco 01”? [A quem possa não compreender essas palavras explico depois]

Assim como o senhor, também espero que a atual gestão trabalhe pelo bem da cidade e cumpra os compromissos assumidos com a população de Uberlândia, sem que para isso, utilize de mecanismos para tentar denegrir o trabalho realizado pela vossa administração, que bom que nesse ponto não divergimos, mas que a verdade seja dita e que a má fé pare de ser tão amplamente empregada pelos nossos governantes.
Obrigado.

Samuel Giacomelli – artista










12 Comentários

  1. O Bernardo vai plantar Batata, puxa-saco do Odelmo Leão, ja basta a nossa ex-secretaria de cultura quando escreveu uma carta ao jornal Correio de Uberlândia afirmando que o teatro foi entregue em perfeita condições de uso, me faço um favor ex-secretaria para de falar bobagem,vc foi infeliz em escrecer para o jornal, mais uma atitutde de quem não gostou de quem perdeu o cargo, ainda falta muita coisa para ser realizado no teatro municipal que bem que merecia ser reconhecido como o teatro Grande Otelo.

  2. Concordo com tudo o que foi dito pelo artista Samuel Giacomelli (apesar de outros momentos nos descordarmos dele, mais dessa vez, damos os parabéns, teve a felicidade de escrever a Carta pública para o ex-prefeito da cidade, que ta mais para Gata Manhoso da Terceira Idade ), será que o Bernardo ficou sabendo da visita técnica da Funarte para dizer que não viu irregularidade no teatro municipal o mais novo Elefante Branco da cidade, Fico contente quando a classe cultural se reuni em Prol do bem comum que a Cultura Local, um abraço a Todos e ao pessoal da Pagina Cultural.

  3. Kkk! Bernardo, vc por acaso entrou no teatro e visitou as instalações técnicas citadas no texto? Acredito que o menos importante agora é o paisagismo e o calçamento externo… rsrs

  4. fui ao teatro e não vi nenhuma irregularidade o projeto foi alterado para atender a todas as normas para aprovação da prefeitura, por favor cite pelomenos dois desses problemas ja que a única coisa que vi inacabada foi o paisagismo e o calçamento externo… E sim o prefeito tem facebook, email é só mandar para ele gente!

  5. Breno, o que vc está sugerindo é um linhas gerais, uma ação “comunista-socializante”.

    Se o povo tomar em suas próprias mãos a gestão de coisas públicas, o Teatro Municipal será um exemplo menor de algo bem sucedido

    O problema é que entre a teoria de gestar o bem público de forma socializada e a prática, há um universo inteiro de problemas culturais, sociais, psicológicas e tudo mais que for relativo à convivência na sociedade

    Portanto, de forma realista e considerando o fato de não vivermos em uma sociedade “socializante” ( até porque para muitos a ideia de esquerdas lhes causa náuseas) é mais racional e realista que o foco esteja mesmo em atribuir as responsabilidades que cabem ao Odelmo

    De outra forma, isso será uma tipo de paliativo para um problema criado pelo próprio ex-prefeito e em especial, onerando o atual e desorientando a classe artística da cidade, visto que a sua proposta entra em conflito com as premissas básicas da atual forma de gestão do patrimônio público

    Não que seja errado ser utopista, mas há um quê de irrealidade em sua proposta, ou até mesmo uma ponta de dissimulação

  6. Muito bem colocadas estas questões. Dia desses eu me referia à falta de continuidade das coisas (isso é antigo, se é que existiu), mas além disso falta acabamento, esmero e seriedade. O duro é a cara de pau: assinam embaixo. O arquiteto remexeu na tumba.

  7. O problema é estrutural, mas antes é político sim. Por que você acha que o Odelmo “inaugurou” a obra antes de acabar? A solução está na cara: terminar a obra. E outra coisa, nossos impostos já são utilizados lá, não devemos ter mais responsabilidade financeira sobre isso, penso que nos cabe agora é divulgar a situação do teatro aos que desconhecem e pressionar para o fim das obrar seja o mais breve possível.

  8. Parabéns!
    A sociedade civil precisa saber disso!
    Como cidadão inserido no contexto cultural da cidade, eu sabia, e nossos pares sabem. Mas a população da cidade em geral desconhece o fato, e dá o teatro por inaugurado exatamente por conta da semana falsa de apresentações demagógicas feita lá no final do ano passado.
    O pior é que esse procedimento, de fazer pela metade e mal feito, foi o procedimento padrão da gestão Odelmo Leão. É só notar o número de buracos pelas ruas da cidade e os viadutos que não funcionam e consumiram milhões.
    Tomara que muita gente leia seu artigo.
    Saudações.

  9. Duvido que o ex-prefeito leia isso. Ele não está preocupado com esse tipo de consideração. Talvez seus projetos políticos sejam outros no momento. E também não duvido que se a situação fosse invertida, ou seja, que se o poder político estivesse sendo passado das pessoas que hoje ocupam a administração municipal para o grupo que até dezembro de 2012 a ocupou, não seria a mesma coisa: corrida maluca para entregar uma obra de tamanha envergadura e poder contabilizá-la nos dividendos da administração. A visibilidade de uma inauguração de obra pública, ainda que inacabada, conta muito para a estratégia política, não importando quem esteja no poder. Todos farão isso.

  10. Caro Breno, sao as iniciativas como a do Samuel que traz mudanças. É um absurdo entregar o teatro municipal em tais (sem) condições de funcionamento, apenas para ter uma placa de inauguração. Infelizmente é isso que acontece. Ninguém esta colocando em xeque a competencia da nossa secretaria de cultura, ao contrario.. O que esta se colocando em xeque é a falta de respeito com os artistas e o povo ao entregar uma obra belíssima, porém inacabada. Enquanto o Samuel aponta pra lua, voce esta olhando pro dedo. Uma cidade do porte de uberlandia, tem verba suficiente para terminar o teatro com dignidade e segurança. O que esta feito, esta feito. A responsabilidade, agora, é dos novos governantes.

  11. Breno,a situação é triste…se você não gosta de discutir política,seu lugar não é aqui.
    E essa luta a qual você se refere é justamente o que está sendo feito neste espaço.
    Ambos os seus comentários,no facebook e aqui,foram patéticos…quem não ajuda,atrapalha.

  12. ola,
    qual a solucao que vc acha que deve ser feita,e qual a sua disponibilidade para tal?nao leve isso politicamente,ache o caminho,escreva e divulgue aqui no seu espaco.toda sociedade quer coisas bem feitas,vamos ajudar,veja os pontos necessarios,dedique um pouco do seu tempo,faca um espetaculo e reverta a renda para ajudar ou arrumar o que esteja errado,o que eu puder ajudar tambem me diga.vamos fazer todos juntos,sem politica.achei agressivo esse tom.reuna todos seus funcionarios,reserve um tempo livre de seu trabalho,leve todos impostos que vc paga e vamos juntos procurar a solucao,todos nos temos mais motivos para orgulhar do que reclamar da obra,procure o secretario de cultura,ele pode nos ajudar.por favor,eu nao gosto de discutir politica,se quiser publicar publique,mas reveja sua posicao de cobranca,ofereca algo melhor.vamos respeitar tambem o magnifico trabalho da monica debs,maestrina.agora os tempos sao outros vamos a luta companheiro.

Gostou? Deixe um comentário:

Seu comentário só será publicado após aprovação do moderador.

*